Campo Futuro levanta custos de produção de cana e borracha natural

Painel de borracha natural em Itiquira (MT). Foto: Divulgação.

Técnicos do Projeto Campo Futuro realizaram nesta semana o levantamento de custos de produção da cana-de-açúcar e da borracha natural em Pernambuco e Mato Grosso.

A iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parcerias com universidades e centros de pesquisa, alia a capacitação do produtor rural à geração de informação para a administração de custos, riscos de preços e gerenciamento da produção.

A coleta de dados de cana aconteceu em Recife (PE) e reuniu produtores rurais e representantes da Federação da Agricultura do Estado de Pernambuco (Faepe) e do Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas (Pecege).


Já o de borracha natural (heveicultura) ocorreu em Itiquira e Gaúcha do Norte, em Mato Grosso, também com a participação de produtores dos dois municípios.

De acordo com a assessora técnica da CNA, Lorena Pedrosa, a heveicultura é caracterizada como agricultura familiar na região. “Os produtores não têm o hábito de controlar os custos de produção. A vinda do projeto foi importante para alertar sobre a importância da gestão e mostrar que a propriedade rural é um empreendimento”.

O presidente da Cooperativa de Seringueiros de Ouro Branco (COOPSOB), Rubens Soares, afirmou que o levantamento de custos auxiliou o produtor a calcular as despesas e os lucros para produzir a borracha natural.

Em Gaúcha do Norte, o produtor Clodoaldo Mucchi disse que o controle e a gestão dos custos são fundamentais para a sobrevivência de qualquer atividade.

“A heveicultura é uma atividade de longo prazo e precisamos desses números anotados para saber se ela está sendo viável ou não. Os preços não estão compatíveis e é preciso encontrar alternativas para minimizar os custos e obter margem positiva”.

Com informações da Assessoria de Comunicação CNA.

1 comentário

  1. Sine sed diffundi proximus. Super minantia praeter temperiemque scythiam. Posset: nix aliis acervo magni acervo temperiemque formaeque. Pinus locis? Liquidum montibus quia dedit

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.