Espetáculo de dança ‘Revoada’ trata das tensões e formas de habitar a cidade

A nova montagem do Grupo Z e da Companhia Repertório Artes Cênicas&Cia estreia nesta sexta-feira (11) e irá circular em espaços públicos de Vitória até o início de novembro. Foto: Divulgação.

Em muitos aspectos, o comportamento dos animais urbanos, como os pombos, carrega muitas semelhanças com o comportamento humano. Esses animais ora vistos com piedade são tolerados e chegam a ser alimentados, ora são tidos como pragas e espantados. De alguma maneira, a forma de certos grupos humanos ocuparem a cidade também reproduz esses dois extremos. Partindo dessa premissa, o espetáculo Revoada, novo trabalho de dança contemporânea do Grupo Z em parceria com a Companhia Repertório Artes Cênicas&Cia, irá para as ruas e espaços públicos de Vitória a partir desta sexta-feira (11) e seguirá em temporada até o dia 03 de novembro. A agenda de apresentações está no fim desta matéria.

O espetáculo

Revoada apresenta um paralelo entre o comportamento dos homens e dos pombos, um retrato animalesco do modo de existir contemporâneo. Pombos, assim como os seres humanos, se aglomeram nos espaços urbanos, revoam pelas ruas, praças e monumentos. Na montagem, os intérpretes irão performar seres que transitam entre o pássaro, a peste urbana – e o humano, os corpos irão carregar características que se alternam entre humanas e animais para dar origem a um terceiro corpo, nem bicho e nem gente, meio animal e meio humano.

Para construir essa narrativa, o elenco do espetáculo está desenvolvendo a pesquisa coreográfica e dramatúrgica desde o início deste ano. Nessa investigação, buscou-se explorar as peculiaridades de cada corpo, de cada intérprete, resultando em movimentos e cenas que foram trabalhados pela direção e devolvidas aos intérpretes, que, apropriados dessa nova criação, as assumia organicamente em seus corpos.

Carla Van Den Bergen, coreógrafa do espetáculo, explica um pouco sobre como foi o processo de criação coreográfica na sala de ensaio: “a partir de estudos de movimentos de algumas aves, construímos um trabalho de animalização do corpo humano. Tendo isso feito, fazíamos um trabalho oposto: a partir do corpo animalizado compor a humanização desse corpo. Essa foi a principal característica do processo de pesquisa coreográfica e corporal de Revoada”.

Por Aline Dias / Danilo Ferraz / Erika Piskac.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.