EDP adota medidas preventivas contra disseminação do coronavírus

Empresa de energia reforça protocolos de higiene, reduz viagens de executivos e adquire máscaras para o caso de circulação do vírus no Brasil

A EDP, distribuidora de energia elétrica do Espírito Santo, montou um comitê de gestão de crise para preparar a Companhia para a prevenção da disseminação do coronavírus.  Desde meados de fevereiro, antes mesmo da confirmação do primeiro caso do coronavírus no País, os protocolos de higiene foram intensificados na Empresa.

A limpeza de espaços e áreas como, botões de elevadores, maçanetas de portas e corrimões de escadas, receberam incremento. Nos sites onde há compartilhamento de equipamentos de informática e telecomunicações, como call centers e centros de operação, a recomendação é higienizar esses itens com desinfetantes à base de álcool. A mesma medida foi estendida aos veículos da frota operacional da Companhia.

A comunicação com os funcionários também tem reforçado a importância de cuidados pessoais, como lavar as mãos com frequência, cobrir a boca e o nariz ao espirrar com lenço de papel descartável ou evitar tocar olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas, por meio de newsletters, publicações na intranet e nos murais digitais dos escritórios. A empresa determinou a aquisição de lotes de álcool em gel para distribuir a suas equipes de campo, como eletricistas e operadores dos call centers.

As viagens a trabalho para os países mais afetados pelo Coronavírus foram proibidas. Além disso, a recomendação é reduzir as demais viagens aéreas ao mínimo indispensável, de modo a diminuir a circulação pelos aeroportos. Caso seja necessário realizar uma viagem internacional, pessoal ou profissional, há máscaras disponíveis nos ambulatórios da Empresa para o colaborador e seus dependentes.

Ainda no início de fevereiro, a EDP adquiriu preventivamente 5.000 máscaras que serão distribuídas aos quase 3.000 colaboradores de todas localidades em que a EDP está presente no Brasil. As máscaras têm durabilidade de 30 dias e representaram um investimento de cerca de R$ 200 mil. A Companhia tomou a decisão de adiantar a compra desses itens para evitar o desabastecimento que fatalmente ocorreria em caso de intensificação da epidemia.

A EDP também vai adotar um rodízio semanal preventivo. Os colaboradores serão divididos em três grupos: os dois primeiros grupos serão divididos entre dois escritórios com endereços diferentes e um terceiro ficará em home office. A cada semana, haverá uma rotação e um grupo diferente ficará em home office. O novo esquema de trabalho tem início na próxima segunda-feira, 16 de março.

A ideia é dividir os times para, caso haja algum caso confirmado em um dos sites, os demais colaboradores que não estiverem no local possam dar continuidade à operação sem interrupções.

desenha um plano de contingência, que prevê esquemas de trabalho em home office e sistemas de redundância, num cenário de intensificação da epidemia, em que não seria possível o deslocamento aos locais de trabalho.

“Uma possível disseminação do coronavírus seria um grande teste de gestão de crise para as empresas que atuam no Brasil. Por isso a EDP se antecipou e está preparada para que os efeitos dessa crise afetem o mínimo possível nossa operação e nossos colaboradores”, afirma Vanderlei Ferreira, diretor de Gestão de Risco da EDP no Brasil.

Por Fernanda Lozer

AGRONEGÓCIOS CIDADES Cultura DIREITO & JUSTIÇA Economia Geral Internacional NOTÍCIAS OPINIÃO OPORTUNIDADES Política

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *