Linhares emite alerta epidemiológico sobre risco de leptospirose

Foto: Felipe Tozatto.

Devido às fortes chuvas que atingem o município Linhares, região norte do Espírito Santo, nos últimos dias, que ocasionaram alagamentos em vários pontos da cidade, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica, faz um alerta para os cuidados que devem ser tomados pelas pessoas que tiveram contato com as águas das enchentes.

A água pode transmitir doenças como micose, hepatite e leptospirose. Por esse motivo, recomenda-se evitar o contato com a água em pontos alagados. Neste ano de 2019, Linhares ainda não registrou nenhum caso de leptospirose.

Para limpar a casa ou recuperar objetos é recomendável calçar botas de plástico impermeáveis ou cobrir mãos e pés com duas ou três sacolas plásticas, uma por cima da outra, e prendê-las com um bom material resistente que impeça penetração na água suja.

Segundo a diretora de Vigilância Epidemiológica do município de Linhares, Jackelene Ramos, quando uma pessoa começa a apresentar sintomas como febre, dor de cabeça forte e mal-estar e tenha estado recentemente em contato com água de enchentes, alagamentos ou lama, é importante que ela procure uma das 34 unidades de saúde do município.

“Isso caracteriza suspeita de leptospirose, e a pessoa deve procurar um serviço de saúde para fazer atendimento imediato”.

Sinais

Os sinais da leptospirose podem aparecer no dia seguinte ao contato com as águas de chuva ou até depois de um mês. Veja como evitar a contaminação por água da chuva:

• Não deixe que crianças nadem ou brinquem na água e na lama das enchentes, pois, além do perigo das enxurradas, elas podem ficar doentes.

• Evite manusear objetos que tenham sido atingidos pela água ou lama. Proteja os pés e as mãos com botas e luvas de borracha ou sacos plásticos duplos.

• Evite contato com as águas das enchentes. Caso isso seja inevitável, é recomendável permanecer o menor tempo possível na água ou na lama.

• Jogue fora medicamentos e alimentos (frutas, legumes, verduras, carnes, grãos, leites e derivados e enlatados) que entraram em contato com as águas da enchente, mesmo que estejam embalados com plásticos ou fechados, pois, ainda assim, podem estar contaminados.

• Se sua casa for atingida pela enchente, após o recuo da água, providencie a limpeza e desinfecção dos ambientes, utensílios, móveis e outros objetos. Usando luvas, botas de borrachas ou outro tipo de proteção para as pernas e braços (como sacos plásticos duplos), descarte para a coleta pública tudo o que não puder ser recuperado e remova – com escova, sabão e água limpa – a lama que restou nos ambientes, utensílios, móveis e outros objetos da casa.

• No caso dos utensílios domésticos (panelas, copos, pratos e objetos lisos e laváveis), lave-os normalmente com água e sabão. Depois, prepare uma solução desinfetante, diluindo um copo (200 ml) de água sanitária (hipoclorito de sódio a 2,5%) em quatro copos de água (800 ml). Mergulhe na solução os objetos lavados, deixando-os ali por, pelo menos, uma hora.

• No caso dos pisos, paredes, móveis e outros objetos, após retirar a lama, lave o local com água e sabão e, a seguir, prepare uma solução diluindo um copo (200ml) de água sanitária (hipoclorito de sódio a 2,5%) para um balde de 20 litros de água. Umedeça um pano na solução e passe nas superfícies, deixando-as secar naturalmente.

• Lave bem as mãos antes de preparar alimentos e ao se alimentar. Procure beber sempre água potável que não tenha tido contato algum com as enchentes, e a utilize no preparo dos alimentos, especialmente das crianças menores de um ano.

• Para garantir que a água é segura para consumo, ferva-a por ao menos um minuto, ou adicione duas gotas de hipoclorito de sódio com concentração de 2,5% (água sanitária) para cada litro de água.

Por Paola Nali.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.